21
Dom., Jul.
0 New Articles

Problemas económicos em Moçambique: Povo vai pagar a fatura?

Economia
Typography
  • Smaller Small Medium Big Bigger
  • Default Helvetica Segoe Georgia Times
AplicLoja Windows 11 Pro

Moçambique gasta mais dinheiro do que ganha. É um problema que aflige o banco central moçambicano. A DW questionou vários economistas se os cidadãos comuns vão ter de apertar o cinto.
Depois da pandemia, vários desastres naturais, constantes aumentos dos preços e fraca produção, o Estado precisa urgentemente de tomar medidas para equilibrar as contas públicas, diz o banco central de Moçambique. Mas como? Será que os

cidadãos vão ter de pagar a fatura?

O alerta do Banco de Moçambique está a preocupar os economistas. Com a despesa pública do Estado moçambicano superior às receitas, a pressão sobre as contas públicas é cada vez maior "É necessário cortar nas despesas"

Estrela Charles, economista e investigadora do Centro de Integridade Pública (CIP), destaca a necessidade urgente de medidas de austeridade para estabilizar as finanças públicas e, assim, garantir um crescimento sustentável.

Em primeiro lugar, será preciso cortar nas despesas, diz a economista, "através da redução dos subsídios" ou apertando o cinto nas instituições moçambicanas.

Além disso, segundo Estrela Charles, "os empresários continuam a estar demasiado dependentes dos projetos do Estado e isso acaba por ser um fardo para as contas públicas."

Menos Estado

A economista acrescenta que, se a dependência do setor privado do Estado não diminuir, a economia moçambicana ficará exposta a riscos significativos.

"O que temos de fazer é criar condições para que o empresariado possa, por si só, fazer negócio", afirma Estrela Charles. "O empresariado deve parar de estar ligado ao Governo. Se o empresariado estiver ligado ao Governo, quando o Governo tiver algum problema de investimento, o setor privado não vai produzir e não haverá arrecadação de receitas".

É preciso austeridade, mas não aumento de impostos, que pese ainda mais no bolso dos cidadãos, adverte Estrela Charles. De acordo com a economista, os impostos em Moçambique já são demasiado altos.

No entanto, "deve-se alargar a base tributária, para que todos paguem os seus impostos", refere.

Dívida pública insustentável

Por seu lado, o economista Egas Daniel alerta que, se o Governo nada fizer, o desequilíbrio nas contas públicas poderá levar a um efeito bola de neve.

"O que sucede é que o défice - a discrepância entre a despesa e a receita - tenderá a aumentar ao longo do tempo, o que cria a necessidade de financiamento constante para satisfazer a despesa adicional, que não é compensada pela receita."

E o nível de endividamento do Estado moçambicano já é considerado insustentável, complementa Egas Daniel.

O Fundo Monetário Internacional prevê que a dívida pública de Moçambique aumente este ano para mais de 100% do Produto Interno Bruto (PIB). É uma das maiores dívidas de toda a região subsaariana.

 


Fonte:da Redação e da DW
Reeditado para:Noticias do Stop 2023
Outras fontes • AFP, AP, TASS, EBS
Material Informático - www.aplicloja.com
Receba diariamente no Grupo STOPMZNWS poderá ler QRCOD
Link do Grupo WhatsApp - https://chat.whatsapp.com/JUiYE4NxtOz6QUmPDBcBCF
Qual Duvida pode enviar +258 827606348 ou E-mail:Este endereço de email está protegido contra piratas. Necessita ativar o JavaScript para o visualizar.
Em criação o Aplicativo o APP que ira ver notícias diariamente em seu celular Fotografias:Getty Images/Reuters/EFE/AFP

AplicLoja Microsoft Office 2022 Pro Plus